Como saber quando a bolsa estourou? Médica ensina e alerta: não há motivo para desespero⠀

trabalho parto doula 0519 1400x800

trabalho parto doula 0519 1400x800

trabalho parto doula 0519 1400x800

trabalho parto doula 0519 1400x800


Ken Tackett/shutterstock

Nos filmes e nas novelas, a cena é bastante comum: a mulher, grávida, percebe o rompimento da bolsa e todos correm desesperados para o hospital para a chegada do bebê. Na vida real, no entanto, as coisas não ocorrem desta forma: o parto pode demorar um bom tempo após a saída do líquido amniótico.

Em seu perfil no Instagram, a ginecologista e obstetra Anna Beatriz Herief explicou todo o processo que envolve a bolsa rota (rompida) até o nascimento do bebê e alerta: não há motivos para pânico ou desespero quando a bolsa se rompe.

feto bebe utero 0519 1400x800

feto bebe utero 0519 1400x800

feto bebe utero 0519 1400x800

feto bebe utero 0519 1400x800


labden/shutterstock

O rompimento da bolsa é chamado de Rotura Prematura de Membranas Ovulares. Segundo a médica, recebe a definição de “prematura” porque acontece antes do início do trabalho de parto, ou seja, quando a gestante ainda não tem contrações.

Como saber se a bolsa estourou?

Identificar o rompimento da bolsa é fácil: o líquido amniótico molha a roupa íntima, a cama, escorre pelas pernas, “sai uma aguaceira mesmo”, diz a ginecologista. É importante, porém, que a mulher não confunda a bolsa rota com “rotura alta” ou coriorrexe, que é quando apenas a membrana externa se rompe, liberando uma pequena quantidade de líquido.

parto normal bebe 0519 1400x800

parto normal bebe 0519 1400x800

parto normal bebe 0519 1400x800

parto normal bebe 0519 1400x800


Shutterstock/Por sciencepics

Neste caso, perde-se o pouco líquido da fina lâmina presente entre as membranas e depois cessa. Apenas uma minoria das mulheres rompe a bolsa antes do início do trabalho de parto, afirma a médica. Na grande maioria, o fenômeno só acontecerá durante fases mais avançadas do trabalho de parto.

Quanto tempo esperar após a bolsa romper?

O motivo pelo qual a ginecologista afirma que não é preciso se desesperar é o longo período que o bebê terá para nascer após o rompimento da bolsa. De acordo com as estatísticas, 70% das mulheres entrará em trabalho de parto em até 24 horas. Entre 80 e 85% entrará em trabalho de parto em até 48 horas e 95% entrará em trabalho de parto em até 72 horas.

bebe nascendo parto normal 0318 1400x800

bebe nascendo parto normal 0318 1400x800

bebe nascendo parto normal 0318 1400x800

bebe nascendo parto normal 0318 1400x800


sciencepics/Shutterstock

A especialista afirma que não existem evidências com relação a tempo de espera de bolsa rota relacionando a mais ou menos riscos. Tampouco há na literatura médica uma definição de tempo máximo que se deva esperar para internação.

Independente da equipe que acompanha a gestação e do tempo que foi combinado para esse tipo de caso, se a mulher não estiver segura com a espera, a partir de 24 horas é razoável internar e induzir o parto.

View this post on Instagram

✨ A TRILOGIA DA BOLSA ROTA (parte 1)✨ ⠀ Levanta a mão quem já viu essa cena na TV: a grávida sente uma fisgada, olha pra baixo e “a bolsa estourou!”. Segue-se uma histeria coletivo, gritos, “vamos correr para o hospital!”, faz três forças, bebê nasce. Ufa! ⠀ APAGA ESSA CENA DA SUA CABEÇA! ❌? ⠀ Vamos à vida real? Vamos falar de BOLSA ROTA! ⠀ Mas Bia, do que se trata? Eu explico: bolsa rota (rompida) assim, do nada, tem nome e sobrenome: Rotura Prematura de Membranas Ovulares. Chama-se “prematura” por acontecer antes do início do trabalho de parto (ou seja, a gestante ainda não tem contrações). ⠀ Geralmente é de muito fácil identificação, sai uma aguaceira mesmo, escorre líquido pelas pernas, molha a calcinha toda, molha a cama, faz lambança. Muitas mulheres referem sentir e ouvir um “ploc”, um tipo de estalo, seguido de líquido quente escorrendo. ⠀ Mas não se confunda! Com alguma frequência, pode acontecer a “rotura alta” ou coriorrexe, que é quando apenas a membrana externa se rompe, liberando uma pequena quantidade de líquido amniótico. ⠀ Comumente, perde-se o pouco líquido da fina lâmina presente entre as membranas e depois cessa. Essa situação não é caracterizada de fato como bolsa rota, já que a mulher pode vir a entrar em trabalho de parto espontâneo dias ou semanas depois, sem nenhum prejuízo para ela ou para o bebê – e a bolsa das águas continua lá, intacta. ⠀ Apenas uma minoria das mulheres rompe bolsa antes do início do trabalho de parto. Na grande maioria delas só acontecerá durante fases mais avançadas do trabalho de parto, frequentemente já no expulsivo. ⠀ Também pode acontecer da bolsa não romper e o bebê nascer dentro dela (empelicado) – lindo e emocionante, porém raro. ⠀ É importante saber que, independente de quando a bolsa rompe, o líquido amniótico continua sendo produzido, então aquela expressão “parto seco” não existe! ⠀ ➡ Fique ligado que no próximo post tem a parte 2: devo sair correndo para o hospital quando a bolsa romper? (Adivinha?!) #bolsarota

A post shared by Anna Beatriz Herief (@biaherief) on

Trabalho de parto

Fonte: Vix

Fonte: NH TV